Feminismo e algumas dúvidas
sobre o blog

Feminismo e algumas Dúvidas

Oi Oi Corações, (me perdoem ainda estou procurando um bordão haha) Bom espero que estejam bem, eu estou! 😀 Hoje vim abordar um tema bem atual aqui, que é sobre o FEMINISMO. Hoje procurando alguns temas para falar com vocês me deparei com uma tag no twitter (#MexeuComUmaMexeuComTodas) e isso me fez pensar um pouco sobre esse tema. Só quem é MULHER entende qual o verdadeiro valor desse movimento. Pensando nisso vou tirar algumas duvidas aqui no blog, e caso vocês queiram eu volto a abordar sobre esse assunto. Então lá vai:

Afinal, você sabe o que é o FEMINISMO?

“Feminismo é um movimento criado na EUROPA que busca a conquista e equiparação dos direitos políticos e sociais de ambos os sexos.” Óbvio que esse é o termo técnico da coisa.

Feminismo é o contrário do machismo?

Não! Enquanto o Feminismo busca a IGUALDADE o Machismo é um comportamento que coloca o Homem em posição de superioridade.

Mas se as mulheres já podem votar, já podem ir para o mercado de trabalho, os direitos já não são iguais? O que mais as feministas querem?

As feministas querem por exemplo o fim da violência de gênero – no Brasil, a cada 12 segundos uma mulher é violentada, de acordo com uma pesquisa da Secretaria de Políticas para Mulheres do Governo Federal, a cada 10 minutos, uma mulher é estuprada, de acordo com o Mapa da Violência, e a cada 90 minutos uma mulher é assassinada, de acordo com o IPEA. Todas essas violências estão relacionadas à questão de gênero – são casos que durante muito tempo foram chamados de “passionais”, são casos que acontecem dentro de casa, no seio familiar, e que se diferem da violência que atingem os homens, que morrem por diversos motivos, mas nunca por serem homens.

Feministas são a Favor do Aborto?

Como foi dito, feministas são a favor da escolha da mulher. Elas não querem leis ou que alguém diga como elas devem agir com o próprio corpo. Querem que a própria mulher em caso de uma gravidez indesejada decida se quer ou não interrompe-la. E que ofereça uma assistência para que ela possa fazer isso em segurança sem comprometer sua saúde, e não que o Estado proíba isso com leis. Não que elas queiram que todo mundo comece a abortar, mas que isso seja tratado como questão de saúde e não penal.

Países como EUA e França preveem a possibilidade de interrupção da gravidez. No Uruguai, depois da legalização, o número de abortos caiu, talvez exatamente porque ao receber apoio, a mulher se sente encorajada a levar a gravidez até o fim, porque sabe que há uma rede de assistência com a qual poderá contar. Depois da legalização, o Uruguai também não registrou mais casos de morte de mulheres durante o aborto – porque essas mulheres deixaram de recorrer a clínicas clandestinas e passaram a contar com atendimento médico. Enquanto isso, a cada dois dias uma brasileira, principalmente das classes mais baixas, morre vítima de um aborto mal realizado.

Trarei mais esse assunto aqui no blog, afinal #JuntasSomosMaisFortes. E você o que acha sobre o feminismo? Você é feminista?

Beijos D/Logarinho

Fonte de pesquisa: CartaCapital

 

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta